quinta-feira, 22 de março de 2012

Metalinguagem

Versos perdidos em papeis amassados
Restos ou pedaços de sentimentos espalhados
Por diversos lugares
Não adianta fugir do que o coração sente
Não adianta fingir que o coração não sente
Mesmo quando a rima não existe
O sentimento insiste
Quer ser liberado
E ate que isso aconteça,
Não adianta esconder os papeis em rascunho
Ele não vai deixar de existir.

4 comentários:

Fernanda. disse...

Mas é claro! Sentimento foi feito pra se viver. Beijos

Mariana Andrade disse...

verdade, verdade, verdade! às vezes não dá nem pra escrever. é coisa demais pro papel..

Marcos Satoru Kawanami disse...

Amassar o papel é a fuga do sentimento. A rima incidental entre existe e insiste mostra que o sentimento aparece como um espinho em caule de roseira: uma saliência.
É um poema feito de analogias e contrastes, antíteses.

coffee-break disse...

Com certeza não... ele existirá para uma leitura futura, talvez interpretações diversas.

essa é a beleza de versos perdidos-encontrados.